sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Não sei como acontece e porque,
Às vezes, tudo se complica e escurece.
E desanda, empelota e apodrece,
Deixando marcas difíceis de esquecer.

E o que mais causa espécie é o absurdo
De não se encontrar o responsável,
Embora pareça que somente o imponderável,
Responde por esses ossos duros de roer...

A convivência pode ser algo extenuante,
Se não se atenta para o óbvio a aprender:
Que na relação com seu amante, na verdade,
Você se encontra cara a cara é com você.

3 comentários:

Ignoto Jardim disse...

Muita verdade nessas estrofes...

Silvia Masc disse...

Bonito e verdadeiro...
(Adorei a sua foto)

Ana Lúcia Porto disse...

É o dois em um...

Beijos,
E o café está prontinho a lhe esperar...